quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Portugal Tour IV

Continuando, desta feita pelas planícies Alentejanas. Foi uma viagem muito interessante, na sua esmagadora maioria por excelentes produtores, com excelentes vinhos, no entanto houve para mim uma mão cheia de produtores, o "Quinteto Maravilha", que se destacaram dos demais pela sua enorme qualidade e em alguns deles, pela mudança de estilo que operaram. Difícil foi mesmo escolher entre tantos bons produtores, mas adiante.


Herdade da Malhadinha
Este produtor, aliás, esta família sempre teve tudo para colocar sucesso na fabulosa Herdade que adquiriram. Podíamos começar por falar na idílica Herdade, no seu excelente projecto de Enoturismo ou na sua Country House, onde nada foi deixado ao acaso, no sentido de proporcionar o maior conforto aos seus clientes. No vinho, e desde o início, tem sido colocado um enorme esforço para trazer o melhor que as suas vinha dão, aos seus clientes. O objectivo tem sido amplamente conseguido, e graças a alguma afinação de perfil, no meu entender, nesta ultima colheita foi mesmo superado. A verdade é que por vezes parecerá algo fútil dizer que este, ou aquele, produtor conseguiram fazer o melhor vinho de sempre, mas, nunca esta afirmação foi tão verdadeira para esta produtor.
Tudo isto para dizer que o Malhadinha Tinto 2009 é, no meu entender, o melhor vinho que foi feito até hoje na Herdade. O vinho impressiona pela sua precisão e enorme profundidade. Remete-nos para algo misterioso, obrigando-nos a incessantemente procurar nas profundidades dos seu aroma. Por outro lado, a grande concentração de aromas e na boca, tornam-no no mais opulento Malhadinha, e isto sem perder, também um grande feito, a sua frescura e taninos. Adorei.
Ainda assim, isto não completa o cenário, uma vez que os brancos também são de especial interesse falar neles, uma vez que foi nestes, com destaque para o Malhadinha Branco 2010, que foi operada a grande mudança de perfil na casa. Quem costuma seguir atentamente os vinhos desta casa, certo reparou que o Malhadinha Branco sempre foi um branco muito bom, mas que sempre teve na sua juventude uma madeira que demorava a integrar (o 2008, recentemente bebido, mostra precisamente um branco ainda muito pouco evoluído, mas também ainda com a madeira por integrar), no entanto, 2010 é exactamente o contrário, um vinho cuja madeira aparece desde já muito bem integrada, e por isso mesmo torna-o mais fino, mais elegante. Excelente branco. De ressalvar ainda a qualidade apresentada, também, nos Peceguina, que se perfilam como uma excelente escolha para a gama/preço onde se inserem, apoiando-se na fruta e na frescura para darem enorme prazer. Finalmente, a recente gama de varietais da casa e o Pequeno João, que deixou de ser o vinho mais extraído da casa, para também ele, se tornar mais elegante. No varietais, fico sempre com um "sensação agridoce", pois se por um lado são vinhos muito bons, todos eles, por outro, não se destacam dos demais. Ainda assim, de entre eles, o meu destaque vai mesmo para o Alicante Bouschet, por ser um fiel depositário do perfil da casta, sem exagerar na extracção.
Os meus sinceros parabéns pelos belos vinhos que apresentaram.


Quinta do Mouro
O "Enfant Terrible" do Alentejo está no seu auge de forma, e é no meu entender o produtor que mais se destaca na região, muito por culpa do carácter e individualidade que imprime nos seus vinhos, tornando-os em vinhos que se desmarcam do Alentejo, com o seu estilo muito próprio.
Tivemos oportunidade de provar os Rótulo Dourado 2005/06/07/08, que pura e simplesmente deixaram-me siderado, de tão bons que são. Todos eles atingiam patamares de excelência, sendo que o 2005 e 2007, extrapolavam-se para grandiosos vinhos que estão ao alcance de muito poucos produtores atingirem. São vinhos profundos, que depositam na sua acidez e taninos, associados a uma textura invulgar, todo o seu esplendor. Mas é enganador pensar que apenas o RD é o que se faz na casa, com enorme qualidade, nada disso, os colheita e mesmo os Casa de Zagalos também impressionam pela sua qualidade, e no primeiro caso, as colheitas de 2007 e 2008, mostraram vinhos irrepreensíveis no sabor e nos deliciosos taninos. Um must, conhecer este produtor.


Dona Maria
Tenho mesmo por começar pelo magnífico Château que é a Quinta do Carmo, não confundir com a marca Quinta do Carmo que se encontra na posse da Bacalhôa Vinhos, o lindíssimo palácio de onde nascem os vinhos Dona Maria. Andar dentro de casa é remontar a tempos idos do Séc. XIX. Magnífico.
No que aos vinhos diz respeito, este é o produtor, a par do anterior e da Quinta de Zambujeiro, que lidera a região de Estremoz. Em toda a sua gama podemos encontrar vinhos excelentes. Começando pelo Rosé, um dos melhores do Alentejo, onde a secura e frescura o tornam numa excelente escolha de verão, podendo eventualmente integrar-se na meia estação. Bom Rosé.
No brancos da casta Viognier, o Dona Maria e o Amantis, a diferença entre o Inox e a Barrica. Se por um lado a frescura assenta no primeiro, no segundo a mineralidade, associada às notas de barrica. Não sendo uma casta que admiro, tenho a consciência que os apreciadores desta, irão encontrar o que pretendem nestes vinhos.
No tintos, dois colossos foram-nos foram apresentados, o Dona Maria Reserva 2007 e o JB 2007. Nestes, a capacidade de envelhecimento é evidente, pelos taninos que apresentam. São ainda muito jovens e vão precisar de muito tempo para chegarem ao seu auge, no entanto garanto-vos que são tão, mas tão bons. Adorei estes dois vinhos, que infelizmente parecem estar a dar que fazer ao Júlio Bastos, que pondera se os deve ou não lançar. Por mim era já, que eu quero-os na minha garrafeira.
Tive ainda a oportunidade de estar perante a difícil escolha dos lotes para o Amantis Tinto 2009, mas garanto-vos que está delicioso, cheio de sabor e com taninos redondinhos. Fácil de gostar e muito difícil de resistir.


Herdade do Esporão
Um dos maiores produtores portugueses mas cuja consistência dos seus vinhos, sejam ele o Monte Velho ou o Private Selection, é levada ao limite. Não se provou tudo desta casa, mas o que se provou, dá excelentes indicações do que são as próximas colheitas.
Impressiona-me sempre a qualidade dos Esporão Reserva, onde a qualidade notável, face à quantidade de vinho produzido. Atenção ao Esporão Reserva tinto 2009, que está excelente e é uma excelente RQP. Nos Private Selection, de destacar a cremosidade e amplitude aromática do branco 2010 e a densidade do fruto maduro e a estrutura de boca, aliada à elegância, no tinto. São sempre um porto seguro para quem procura um grande vinho. Excelentes.
Finalmente o novo Torre, de 2007, com aroma muito compacto de fruto negro, denso e profundo, grande amplitude na prova de boca, com toneladas de taninos, muito potente e longo. Um "Vin de Guarde" sem tirar nem pôr. Muito bem.


Zambujeiro
Um produtor "estranho", no sentido de infelizmente ser pouco conhecido, apesar da qualidade que apresenta nos seus vinhos. A verdade é que os seus vinhos, na minha humilde opinião, estão entre os melhores do Alentejo e mesmo de Portugal. Não são vinhos baratos, é certo, e será provavelmente essa a razão deste aparente desconhecimento. Outra razão poderá ser encontrada na sua enorme percentagem de exportação a que são sujeitos, em virtude do proprietário ser suiço. Os Terra do Zambujeiro são vinhos muito bons, com capacidade de guarda mas os tesouros deste produtor são mesmo os Zambujeiro, que atingem facilmente em todas as colheitas um patamar de excelência. São belíssimos vinhos que envelhecem muito bem. Enorme o Zambujeiro 2007, um caso sério de vinho, onde a Touriga Nacional mostra toda a sua arte, como componente de um lote, e onde a estrutura de boca e taninos mostra um vinho que precisará ainda de tempo em garrafa. Grande vinho, com carácter e enorme frescura. Adorei.




Continua......

0 comentários:

Blogues Recomendados

  • Podem festejar! - Para balanço! Vai fechar para arrumações, para fazer o inventário e limpar os cacos que se espalharam num ápice. Há que voltar a colá-los, se conseguir. ...
  • Quinta da Bica Vinhas Velhas 2007 - Só produzido em anos especiais, este *Quinta da Bica Vinhas Velhas* nasce de uma vinha com cerca de 50 anos com várias castas misturadas, onde se destaca...

Blogues Recomendados

  • Prova - *Solstício. 2 Barricas (t) 2010* Diga-se desde já que conhecemos bem o homem por detrás deste vinho - isto é uma declaração de interesses (apesar de todo o...

Arquivo do blogue

  © Blogger template 'External' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP