segunda-feira, 9 de maio de 2011

Vertical Quinta do Crasto Vinhas Velhas

Uma vertical de um vinho é sempre um momento de emoção, de grande expectativa. Neste tipo de provas temos sempre a possibilidade de provar alguns vinhos que não provamos à muito, mas, mais que uma prova onde provamos um numero considerável de vinhos, uma vertical é uma prova bastante didática, que nos ensina sempre algo sobre o produtor, o perfil dos seus vinhos e sobre as perspetivas de evolução dos mesmo.
Desta feita foi sobre um dos vinhos de referência para muitos consumidores e provavelmente o estandarte da Quinta do Crasto, pois é um vinho com uma considerável produção e de enorme qualidade, como pudemos comprovar.

A qualidade dos vinhos, apenas com a exceção do 1995, que se mostrou aquém do esperado, foi realmente muito uniforme, e com os vinhos a ficarem sempre em patamares de qualidade muito elevados.
A prova deu grandes indicações quanto à longevidade dos Vinhas Velhas. Por esta amostra, pareceu-me que estes vinhos começam a entrar numa fase distinta, após os 10 anos de vida, altura em que começam a perder o seu perfil habitual, a fruta densa e as notas balsâmicas muito características. Mesmo os mais "velhos", apesar de resolvidos em termos de taninos, pareceram-me não estar a evoluir muito depressa.
Também, e facilmente chegámos a essa conclusão, consideramos que estamos perante uma grande Casa e um grande Vinho. Obrigado




Quinta do Crasto Vinhas Velhas 1994
Alguma evolução na côr, sem no entanto perder a sua côr avermelhada. Aroma distinto, de pó talco, frutos silvestres como a cereja e framboesa, fresco. Aroma muito fino e suave.
Boca resolvida, com taninos redondos mas com muito sabor. Evoluiu muito bem e está pronto a ser bebido.
Nota 17


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 1995
Ligeira evolução na côr. Aroma de tomate confitado, fruto silvestre, ligeiro couro e aniz.
Muito descontrolado na boca, com uma acidez descompensada. Desequilibrado. Uma pena, pois o aroma sugeria algo diferente. A beber desde já.
Nota 15,5


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 1997
Pouca evolução na côr. Aroma com ligeiro volátil, ligeiro desvio alcoólico mas ainda cheio de fruto denso, especiarias e notas balsâmicas.
Muito bem na prova de boca, a mostrar que ainda está cheio de força, com taninos ainda presentes e muito finos. Muito bem.
Nota 17


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 1999
Excelente concentração na Cõr, para um vinho com cerca de 12 anos. Foram poucas as vezes que um vinho se portou como este 1999. Começou com um aroma cheio de força, mas sem definição, algo sujo e com sugestões de naftalina e armário velho. Na boca mostrava algum desequilíbrio, quer ao nível do álcool, quer ao nível da acidez. Mais tarde, no final de todos os vinhos provados, um vinho completamente novo com um aroma cheio de precisão, fruto e notas balsâmicas, numa toada de frescura e finesse.
A boca parece que ganhou equilíbrio e volume. Tudo se conjugou, tudo se harmonizou. Valeu pela 2ª prova.
Nota 17


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 2000
Muito jovem na côr. Aroma cheio de complexidade, com muitas notas de café, fruto bem maduro, ainda uma barrica por integrar na totalidade. Sugestões balsâmicas, algum floral.
Boca com estrutura e acidez no ponto, final longo e nervoso. Jovem e excelente.
Nota 17,5


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 2001
Muito jovem na côr, com excelente concentração. Muitas sugestões minerais, fruto compotado, ervas aromáticas e notas especiadas. Algum calor mas sem prejudicar o aroma.
Excelente textura na boca, encorpado e guloso. Longo
Nota 17


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 2002
Uma boa surpresa, de um ano considerado menor. Aroma muito delicado, com notas de café, fruto silvestre e especiarias. Tudo muito fino e com boa frescura.
Alguma falta de concentração na boca, neste vinho que é delgado e que só perde para os anteriores com a falta de sabor e força na prova de boca. Ainda assim, esteve muito bem.
Nota 16,5


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 2003
Muito jovem na côr, com grande concentração. A antítese do anterior.Aroma muito compotado, fruto denso e opulento, notas balsâmicas.
Boca com volume, robustez e cheia de concentração. Final mediano, em que os taninos envolvem-se com o corpo do vinho.
Nota 16


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 2004
Muito jovem na côr. Ainda a ganhar complexidade, muitas notas de café, notas balsâmicas, fruto denso. Aroma cheio de profundidade e tensão. É um vinho nervoso, mas ao mesmo tempo com austeridade. Cheio de frescura. Ainda quer ser criança.
Emoção na prova de boca, ainda jovem, com taninos muito presentes e uma acidez vibrante. Final muito longo, num equilíbrio impressionante.
Nota 18


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 2005
Muito jovem na côr. Não tem a decadência do anterior, no entanto mostra-se um vinho com maior austeridade. É um vinho mais preciso e rigoroso, sem perder complexidade para o 2004. Está fenomenal no aroma, cheio de frescura.
Grande prova de boca com taninos ainda muito jovens. Excelente final, cheio de sabor e muito longo. Outro grande vinhas velhas.
Nota 18


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 2006
Outro VV com muita concentração. Notas compotadas, sugestões florais e balsâmicas. Algum desvio alcoólico, algo quente.
Boca jovem com muita concentração, final compotado mas longo. Não tendo a frescura dos anteriores, este 2006, parece-me que ainda merece ser guardado e consumido a uma temperatura ligeiramente inferior aos restantes. Não deixa de ser muito bom.
Nota 16,5


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 2007
Ainda muito jovem. Aroma muito floral, com notas de fruto maduro a que se associam sugestões de bagas frescas pisadas. Sugestões balsâmicas, ligeiras notas de côco e baunilha. Aroma muito fresco
Grande toada de frescura na prova de boca. Muito jovem, com taninos muito presentes mas muito finos. Final Longo e muito fresco.
Nota 17,5


Quinta do Crasto Vinhas Velhas 2008
Mantém o mesmo perfil que as anteriores notas de prova. Mantém ainda as notas de barricas usuais neste vinho, auxiliadas por notas de grafite, café, Fruto Negro e Giz. Muito sedutor. Equilibrado.
Boca com volume, sumarenta, taninos finos ainda muito presentes. Final longo. Excelente vinho, que mostrará todo o seu esplendor daqui a uma mão cheia de anos.
Nota 17,5

3 comentários:

Abílio Neto terça-feira, maio 10, 2011 10:57:00 da manhã  

João,

Nada mal! 04 e 05... ecvedem-se, é isso?

Abr.,

An

Rui Lourenço Pereira domingo, maio 15, 2011 11:14:00 da tarde  

Grande Rico. Grande Prova.

Anónimo terça-feira, maio 29, 2012 12:49:00 da manhã  

Gostei, mas daria uma nota melhor.

Blogues Recomendados

  • CARM branco 2016 - Este branco da CARM (*Douro*) nasce no Douro Superior pela mão da família Roboredo Madeira. As uvas das castas Rabigato, Códega do Larinho e Viosinho, fo...
  • Quinta dos Roques: Encruzado de 2015 - Não, não vos trago nenhuma novidade. A maior parte de vocês já o deve ter bebido, mais que uma vez. O nome do produtor e casta são velhos conhecidos. Respe...

Blogues Recomendados

  • Prova - *Solstício. 2 Barricas (t) 2010* Diga-se desde já que conhecemos bem o homem por detrás deste vinho - isto é uma declaração de interesses (apesar de todo o...

Arquivo do blogue

  © Blogger template 'External' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP