quarta-feira, 7 de abril de 2010

Grandes Quintas

É na sub-região do Douro Superior, entre Vila Flor, Moncorvo e Foz Côa que o projecto é desenvolvido com a paixão e o envolvimento cultural de quem tem uma ligação secular ao Douro. O administrador da Casa d'Arrochella, Bernardo de Arrochela Alegria, é o grande impulsionador deste projecto, encarado, também, como um desafio cultural, através do qual procura deixar um legado para as gerações vindouras.
As vinhas da Sociedade Agrícola Casa d'Arrochella – Quinta do Cerval, Quinta do Nabo, Quinta das Trigueiras, Quinta de Vale d'Arcos e Quinta da Peça – estendem-se ao longo de 115 hectares. A adega tem capacidade para a produção de cerca de 300 000 litros, com dois lagares de granito e cubas de fermentação em inox.
A primeira produção lançada no mercado conta com um total de 38 500 garrafas, com uma aposta forte no Grandes Quintas Tinto, que terá 25 mil garrafas à venda. O Grandes Quintas Branco terá 8 000 unidades, enquanto o Grandes Quintas Reserva estará no mercado com 5 500 garrafas.


Os Vinhos:



Grandes Quintas Reserva 2007
Produtor - Sociedade Agrícola Casa d’Arrochella
Região - Douro
Grau - 14,5% vol
Preço - N/D
Este vinho foi feito a partis das castas Touriga Nacional, Tinta Roriz e Tinta Amarela. Estagiou em barricas de carvalho francês.
Cor muito carregada, opaco.
Começa fechado de aromas, precisa de algum tempo, a principio, começam as notas de baunilha, coadjuvadas por sugestões de tinta da china. Em breve chegam as notas florais, incenso, canela, num conjunto profundo e denso. Aroma com sugestões de frescura, apesar da indicação algo quente do aromas.
Na boca, reina o equilíbrio, o volume, sem mostrar uma potência impiedosa como poderia sugerir o primeiro impacto. O vinho tem estrutura, tem taninos redondos, mas tem recortes de elegância. Termina longo e apimentado. Muito interessante este conjunto.
Nota 17



Grandes Quintas 2007
Produtor - Sociedade Agrícola Casa d’Arrochella
Região - Douro
Grau - 13% vol
Preço - N/D
Feito a partir das castas Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Barroca, este vinho estagiou em barricas de carvalho francês.
Cor muito carregada, quase opaca.
Feito para agradar logo de início, expedito de aromas, com as notas florais e de bergamota a chegarem em primeiro lugar e em segundo plano algumas sugestões tostadas e minerais. Conjunto de boa frescura.
Na boca mantém uma toada de frescura, alia o sabor a um conjunto jovial e muito prazenteiro. Termina com excelente persistência e boa acidez.
Um daqueles vinhos feito para agradar a todos os que atravessam à sua frente.
Nota 16

2 comentários:

Anónimo domingo, setembro 04, 2011 5:03:00 da tarde  

Provei e Gostei Muito.Gostaria de saber onde comprar em Coimbra.

Anónimo domingo, setembro 04, 2011 5:05:00 da tarde  

Provei e Gostei Muito.Gostaria de saber onde comprar em Coimbra.

Blogues Recomendados

  • CARM branco 2016 - Este branco da CARM (*Douro*) nasce no Douro Superior pela mão da família Roboredo Madeira. As uvas das castas Rabigato, Códega do Larinho e Viosinho, fo...
  • Quinta dos Roques: Encruzado de 2015 - Não, não vos trago nenhuma novidade. A maior parte de vocês já o deve ter bebido, mais que uma vez. O nome do produtor e casta são velhos conhecidos. Respe...

Blogues Recomendados

  • Prova - *Solstício. 2 Barricas (t) 2010* Diga-se desde já que conhecemos bem o homem por detrás deste vinho - isto é uma declaração de interesses (apesar de todo o...

Arquivo do blogue

  © Blogger template 'External' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP