segunda-feira, 26 de abril de 2010

Brites de Aguiar


Foi no passado dia 16 que fui à apresentação das novas colheitas da Casa Brites de Aguiar, que detém as marcas Brites de Aguiar e Bafarela. Para esta apresentação, o produtor, trouxe as colheitas antigas de cada uma das suas marcas, mostrando assim a evolução dos seus vinhos.

Situada no Douro, mais propriamente no Concelho de S. João da Pesqueira, esta é uma empresa familiar pertencente a três irmãos (Lúcia, Paulo e Tomy).
A Enologia está a cargo da 2PR (Pedro Sequeira e António Rosas)

Mais informações aqui


Os vinhos:


Bafarela Colheita. Foram os primeiros a serem servidos, numa vertical do vinho de entrada da casa. Acabou por ser uma prova mais didáctica, mostrando que são vinhos para um consumo a curto prazo.


Bafarela colheita 2003
13% vol
Aroma da frutos maduros, terroso, ligeiras notas de evolução e estranhas notas de sabão. Tendo em conta o ano, esperava um conjunto mais quente.
Na boca está delgado, com algumas características de um Porto. A mostrar sinais que já começou a sua fase descendente.
Nota 13


Bafarela Colheita 2004
14% vol
O vinho não esteve em condições.
Sem Nota


Bafarela Colheita 2005
13%vol
Muitos aromas de oxidação ao qual se juntavam notas de mofo. Numa segunda garrafa, manteve-se com aroma indefinido, sujo.
Na boca, desequilibrado e sem grande interesse. O seu tempo já passou, a ver pelas garrafas que foram disponibilizadas.
Nota 11


Bafarela Colheita 2006
13%vol
O mais novo e o mais interessante do conjunto. Aroma com notas de frutos silvestres, morangos, framboesas, e ainda algumas sugestões florais a conferirem alguma frescura ao conjunto.
Na boca alguma frescura, acidez correcta e taninos redondos.
Nota 14


Bafarela Reserva. Um passo à frente dos anteriores, especialmente na colheita de 2007


Bafarela Reserva 2006
13,5% vol
Cor ruby de media concentração.
Aroma de frutos silvestres, notas florais e alguma sugestão de barrica.
Boca com corpo médio, taninos redondos e final de média persistência com sugestões tostadas. Pronto a ser bebido.
Nota 14


Bafarela Reserva 2007
14% vol
Cor ruby de boa concentração.
Ainda algo marcado pelas notas de barrica. Bastam alguns minutos para aparecerem as notas florais, de esteva e o fruto maduro.
Boca de bom porte e desenho, boa acidez e taninos redondos. Um vinho que mostrou mais garra e frescura. Final médio com sugestões de café.
Nota 15


Bafarela Reserva 2008
14% vol
Cor ruby de boa concentração.
Algo primário e jovem, com algumas notas de iogurte. Logo aparecem as notas de fruto maduro, muitas notas florais. Um conjunto com boa dose de frescura.
Muito bem na boca. Ainda a mostrar muitas notas de barrica, é o único Bafarela Reserva que contactou com barricas novas. Ganhou estrutura, e garra. Final saboroso, com taninos empertigados. A beber ou guardar por mais um ano
Nota 15,5


Brites de Aguiar. Foram os vinhos que mais gostei, e onde inclusive esteve o melhor vinho da prova, no meu entender. Atenção pois estes vinhos precisam de algum rigor na temperatura a que são servidos.


Brites de Aguiar 2004
15,5% vol
Cor de excelente concentração, sem denotar grande evolução.
Complexo no aroma, quente, aconchegador. Sugestões de café fresco, fruto maduro, cogumelos e terra.
Boca envolvente, com excelente densidade e sabor. Final longo ainda com taninos bem presentes. Muito bem e no meu entender, o vinho da prova por estar num excelente momento para ser bebido, sem no entanto parecer que poderá ser guardado por mais una anos em cave.
Nota 17


Brites de Aguiar 2006
15,5% vol
Cor de excelente concentração.
Ganhou alguma complexidade no aroma desde a última vez que o provei. O aroma assenta agora mais sobre as notas florais, de alcaçuz e ainda sugestões mentoladas e de barrica.
Na boca todo ele é quente, com notas de café torrado. O final tem boa persistência mas é dominado pelo álcool.
Nota 16


Brites de Aguiar 2007
Cor de excelente concentração.
Será porventura o Brites de Aguiar com o perfil menos quente de todos mas também, para já, o menos complexo.
Para já apresenta-se com muitas notas florais e de fruto maduro. A barrica está bem integrada , sem exageros. Um conjunto com boa dose de frescura.
A boca confirma alguma frescura. Taninos envolventes, acidez excelente e um final longo, com sugestões tostadas. Muito bem.
Nota 17


Bafarela 17 (Grande Escolha e Grande Reserva). Os vinhos com 17% vol. Um enorme sucesso, entre os fieis clientes da Casa. Se nos Brites de Aguiar existe a necessidade de rigor na temperatura de serviço, nestes, é imperioso que o vinho seja servido a cerca de 15-15,5 ºC. sob pena de mostrarem todo o seu álcool.


Bafarela 17 Grande Escolha 2004
17%vol
Acho que não me lembro de alguma vez ter provado um vinho sem rigorosamente nenhum aroma. Com algum aumento de temperatura, fez-me lembrar um Vinho do Porto sem açúcar, sem a fortificação.
Muito alcoólico na boca.
Nota 12,5


Bafarela 17 2006
17%vol
Muitos aromas florais, de fruto maduro e especiaria. Graças a uma boa temperatura de serviço, não existe uma percepção exagerada do álcool.
Boca glicerinada, doce e redonda. Final com grande desvio alcoólico mas muito mais interessante que o anterior.
Nota 14,5


Bafarela 17 2008
17%vol
Um vinho cheio de intensidade, com fruto maduro e muita especiaria. Quer nos aromas, quer na boca, todo ele lembra um estilo "Vinho do Porto".
Nota 15


Bafarela 17 Grande Reserva 2006
17%vol
Aroma algo confuso, pouco definido. Para já, são apenas as notas de barrica a a sugestão de álcool que comandam no aroma.
Na boca existe muita percepção alcoólica, tornando o vinho redondo e adocicado.
Nota 14


Bafarela 17 Grande Reserva 2008
17%vol
Muito carregado na cor.
Ainda algo fechado e para já só a apresentar um fruto muito maduro e muitas notas florais.
Na boca aparecem taninos finos, excelente persistência e uma percepção alcoólica menos evidente. O melhor Bafarela no meu entender, no entanto continua a necessitar de rigor na temperatura de serviço.
Nota 16

1 comentários:

Nuno terça-feira, abril 27, 2010 3:38:00 da tarde  

Estou a ver que os Brites de Aguiar ganharam os óscares. Estou curioso por provar um, e vou seguir o seu conselho pelas notas dadas aos vinhos.

Bons copos.

Blogues Recomendados

  • Carvalhas branco 2015 - Oriundo da mítica *Quinta das Carvalhas* (Real Companhia Velha) em pleno *Douro* e ali bem perto do Pinhão, este branco afirma-se a cada colheita (nasceu ...
  • Podem festejar! - Para balanço! Vai fechar para arrumações, para fazer o inventário e limpar os cacos que se espalharam num ápice. Há que voltar a colá-los, se conseguir. ...

Blogues Recomendados

  • Prova - *Solstício. 2 Barricas (t) 2010* Diga-se desde já que conhecemos bem o homem por detrás deste vinho - isto é uma declaração de interesses (apesar de todo o...

Arquivo do blogue

  © Blogger template 'External' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP