quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Quinta do Vale Meão


Após o termino da European Wine Bloggers Conference, ainda houve tempo, para 30 felizardos, apanharem um autocarro de visita aos Douro Boys, no Douro.
Eu fui um dos sortudos que passou 2 dias no Douro, numa altura em que as vinhas começas a despir-se para enfrentar o inverno.
Já fui muitas vezes ao Douro, mas desta feita haviam 3 razões para não faltar a esta oportunidade. Em primeiro, poder pela primeira vez visitar a Quinta do Vale Meão, em segundo, andar pela primeira vez de comboio no Douro e fazendo o percurso bem junto ao Rio, e terceiro, o facto de o douro estar repleto das mais variadas côres nas vinhas.

E assim foi que, após uma longa, mas gratificante viagem, chegámos à Quinta do Vale Meão. Saídos das estradas principais, em direcção à quinta, passamos por caminhos bem estreitos, que não são mais que um teste à capacidade de atenção do condutor do nosso autocarro. A entrada na quinta apresenta-se numa placa de pedra.

Para nos receber estavam o Francisco "Vito" Olazabal e seu filho, o enólogo da casa, Francisco "Xito" Olazabal. Dois dos quatro pilares da casa. O terceiro, acabou por se juntar a nós, já na casa, a Luisa Olazabal. É ela quem trata logistica e da parte comercial dos vinhos do Vale Meão.

Mal chegamos e fomo-nos dirigindo para a adega. Esta, a ultima a ser construida, pois existe ainda uma outra adega, que o tempo disponível acabou por não permitir visitar, é uma adega de humildes dimensões, mas que permite ao produtor vir fazendo em condições perfeitas todo o vinho que produz. Estou muito habituado a ver adegas e pode parecer que são sempre a mesma coisa, mas cada uma é sempre diferente da vizinha. Nesta, nasce um vinho chamado Vale Meão, que nenhuma outra, em lugar algum do mundo o faz. E assim, fico sempre contente quando tenho a oportunidade visitar mais uma adega.
Do pouco tempo que passámos na adega, ouvimos as explicações do Xito, explicando um pouco a filosofia da casa e dos seus vinhos. Interessantes as explicações do trabalho de barricas, que me fizeram todo o sentido. Aqui, pretende-se o uso de barricas para trazer algo mais aos vinhos, mas não se pretendem vinhos marcados pelas mesmas.

Saídos da adega, acabamos por entra numa camionete. Fez-me lembrar os meus tempos de Militar, onde por inumeras vezes entrava, acompanhado pelo pelotão que dirigia, para de seguida avançar para o mato. Boas recordações. Curiosamente, mais tarde, no Crasto, acabámos por novamente entrar numa destas camionetes, mas desta feita de caixa aberta.

Chegavamos à casa que pertenceu a Dona Antónia Ferreira, a Ferreirinha. Esta foi a ultima casa a ser construída, e a unica que acabaou por ser construida de raiz. Na altura, nada havia por estes lados. Não havias estradas, não haviam construções. Nada. Um deserto. Foram 10 anos que levou a Ferreirinha a construir estradas e casas para os seus trabalhadores. Hoje, a casa pertencente aos Olazabal, Vito é descendente directo da Ferreirinha, é um recanto de história relacionada com a Grande Senhora do Douro. Nesta casa ainda se mantêm todas as mobilias originais que a Dona antónia ali colocou. É uma casa senhorial lindissima, de traços rectos mas generosos, onde hoje em dia, tem como comandante a Maria Luísa "Zinha" Olazabal, o quarto pilar da Quinta do Vale Meão, e esposa de Vito. Quis os destino que duas enormes familias do Douro e do Vinho do Porto, se unissem. Vito é, como já escrevi, descendente da linhagem de Dona Antónia, e Zinha apenas e só, como se não bastasse, filha do criador do Barca Velha, Fernando Nicolao de Almeida e simultâneamente uma Ramos Pinto.
Poderá estar explicada então a ligação, que todos conhecem, do Barca Velha à Quinta do Vale Meão.

Embora estivesse ansioso por entrar na Casa que pertenceu à Grande Senhora, não consegui, mal cheguei, desviar a vista de toda a vinha que está em frente da casa. Uma sensação de conforto, de nostalgia, de sossego, me assolava. A visão era linda, apenas um pouco perturbada pelos postes de alta tensão. Mas todo este lugar me transmitia calma e serenidade. Lindo.

Após umas entradas, onde se contavam umas Bolas de Carne, uns frutos secos e uns enchidos assados voltamos à casa para um almoço que se veio a tornar revelador para mim. Sentámos-nos à mesa e a acompanhar um belíssimo repasto, iam chegando os vinhos:

O primeiro foi o Meandro do Vale Meão 2006. O vinho apresentou-se em boa forma, pouco evidenciando um vinho de um ano mais difícil. Repleto de fruto maduro, muitas sugestões florais e especiadas, este vinho mostrava-se quente nos aromas. Na boca mostrava potência mas sem abusar. Ainda vislumbrei fineza no conjunto. Estava equilibrado, a mostrar que estava a dar uma excelente prova. Na boca mostra uma vertente compotada e com taninos muito sumarentos e redondos. Não sendo o cumulo da complexidade, é muito bom vinho.
Nota 16,5

O primeiro Vale Meão a chegar, em garrafa Double Magnum (3l), foi o 2004. Estava fantástico. Muito jovem na côr, sem mostrar qualquer indicio do peso da idade, este Meão mostrava um nariz cheio de fruto maduro (amoras, ameixas), sugestões de cogumelos, ervas aromáticas e ainda algumas especiarias.
Na boca mostrava toda a sua juventude, com taninos muito presentes, mas muito finos. e arstocráticos. Excelente na acidez, Terminava longo e cheio de vigor. Ainda com muitoas anos pela frente. Grande Vinho.
Nota 18,5

Para o fim estava guardado outro "bom bocado". Servido em Magnum, chegava o Vale Meão 2000. Delirante no aroma. Complexo, muitas notas de cogumelos e de trufas a sobreporem-se à fruta densa e madura, cabedal e ainda alguma confitura. Dá lembranças de um Porto, sem a aguardente. Impressiona.
Na boca é pura seda, puro veludo. Os taninos são dóceis, aveludados e sedosos. O vinho tem corpo, tem taninos, tem acidez, mas tudo se conjunga para o enorme prazer de quem tem a oportunidade de o beber. Termina longo e cheio de sabor. Belo vinho.
Nota 18,5

Acabou-se com um vintage. Mas acreditem que me fixei de tal maneira numa tarde de Limão merengada, que quando já tinha saído é que reparei que nem o tinha bebido. Enfim, nem só de vinho vive o Homem. Grande visita e sobretudo grande recepção por parta da família Olazabal.

Ficaram para o caminho, e para o combóio, as castanhas assadas, no Meão.......



Blogues Recomendados

  • Foz Tua 2014 - Pertence ao grupo dos tintos mais vigorosos do Douro sendo aos olhos de alguns "puristas" como vinhos levados a um extremo quase inaceitável.Porém a quali...
  • Podem festejar! - Para balanço! Vai fechar para arrumações, para fazer o inventário e limpar os cacos que se espalharam num ápice. Há que voltar a colá-los, se conseguir. ...

Blogues Recomendados

  • Prova - *Solstício. 2 Barricas (t) 2010* Diga-se desde já que conhecemos bem o homem por detrás deste vinho - isto é uma declaração de interesses (apesar de todo o...

Arquivo do blogue

  © Blogger template 'External' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP