terça-feira, 15 de setembro de 2009

Um oásis em Albernoa




Estavam chegadas as férias e como em todos os anos, pelo menos ultimamente, começo a tentar convencer a família a ir para um lugar, onde haja piscina, praia, sol, calor e no meu caso pricipalmente, vinho. Esta é uma tarefa àrdua pois a atenção que é desviada da familía em muitos fins de semana, durante um ano quase inteiro, é reclamada na sua totalidade agora em férias.
Este ano, até que foi fácil. Bastou ir ao site da Malhadinha, e...pimba, já estavam convencidos. O site da desta Herdade é de tal maneira "guloso", que se torna difícil resistir.

O caminho para a Malhadinha, pelo IC2 que liga a A2 a Beja, é bem alentejano. Quase, e só, a dourada planície de pasto repleta de sobreiros, e aqui e ali, pincelada por pequenas manadas e populações. Após umas dezenas de quilómetros e já ansiava pelo verde das vinhas. Alguns minutos antes de Albernoa, eis que se vislumbra o oásis de verde, a contrastar completamente com a paisagem a que estávamos habituados pelo caminho.

O Herdade da Malhadinha é composta por duas realidades bem distintas, a do Vinho, onde se conta a adega, e a do Country House & SPA. Comecemos pois pela segunda:




O Country House & SPA, é simplesmente uma delicia. Tudo pensado ao pormenor para agradar que lá passa uns calmos e revigorantes dias. Dá para pensar, olhando para os limites dos montes, dá para ler os inúmeros livros dedicados ao Vinho, que por lá clamam quem lhes pegue. Dá para adormecer, numas das camas ao ar livre. Ali, tudo tem como único propósito, agradar os clientes. Tudo é pensado para o nosso conforto. Um Show.


A Piscina, que me fez lembrar de certa maneira a da Quinta do Crasto, é um ex-libris. Debruça-se sobre as vinhas e tem uma temperatura controlada, que nos dias de mais calor refresca sobremaneira e nos dias mais frios torna-se acolhedora.


O staff é incansável e atencioso. O pequeno almoço é genial, com recurso a excelentes produtos feitos na casa. Conta-se o pão, a fruta sempre fresca, as compotas, os enchidos e imagine-se, o presunto Sanchez Romero, que é simplesmente um vício.
Nas horas de menos calor, nomeadamente logo pela manhã, existem inúmeras actividades como, passeios de bicicleta ou de jipe, pela Herdade e ainda acções mais variadas como Workshops de cozinha, dança do ventre ou mesmo de trabalhos em barro. Todas as semanas é diferente, o que diz bem do dinamismo que imprimem neste "Hotel de Charme".


À noite começa a magia e o mágico de serviço é o Chef Vitor Claro, que com a simplicidade que lhe é característica e com a excelente matéria prima de que dispõe, consegue manter junto de si, todos os clientes alojados no Country House. Cheguei a pensar inúmeras vezes como era possível, com tal simplicidade, ter uma cozinha tão arrebatadora. O Chef Vitor Claro foi feito para este lugar e este lugar para ele. Brilhante na cozinha, sem grande protagonismos e excessos desnecessários, podemos ter a certeza de que cada jantar será diferente, mas repleto de sabor. Aconselho vivamente.

Não há muitas palavras que possam descrever fielmente os dias que por ali passei, mas fica aqui a sugestão para que, quem possa, assim a carteira o permita, ir deliciar-se "in loco" com este idílico lugar, bem no meio do Alentejo. Fabuloso.




Quando lá estive, a meio de Agosto, já se vindimava forte e feio. O calor abrasador, e a consequente escalada nas maturações, ditou que as vindimas começassem mais cedo. Quando lá cheguei já os brancos já estavam na sua maioria dentro da adega e começavam a chegar os tintos em força. Provei algumas uvas, que me pareceram muito bem de saúde. A ver vamos o resultado desta vindima de 2009.

Mas estas duas vertentes são apenas as principais que compõem a Herdade da Malhadinha. Existem ainda mais áreas de negócio, como o Porco Preto, que é na sua totalidade adquirido pela Sanchez Romero Carvajal, com excepção de uma quantidade residual que serve o Restaurante da Casa. As Vacas Alentejanas e ainda a velha paixão, mas ainda um pequeno e recente negócio, da família Soares, que é a criação de Cavalos Lusitanos.

Em conversa com João Soares cheguei a perguntar-lhe como tinha chegado até aqui? Poderia dizer que foi o destino, que foi a paixão, mas na realidade o João e seu irmão Paulo já conheciam bem esta herdade deste muito jovens. Contou-me que era ali mesmo que com 15 anos vinham caçar, outra paixão dos irmão Soares. Na altura, esta Herdade, que já tinha o nome de Malhadinha, estava completamente abandonada, com apenas a lembrança do que em tempos foi uma casa, e desde que se lembram, uma ruína que por ali teimava em permanecer. Quando procuravam um local para assentar arrais, voltaram ao mesmo local onde sempre caçaram, que sempre conheceram, e, mesmo sem quaisquer vinhedos como referência nas imediações (curiosamente bem pertinho, e ao mesmo tempo, nasceu um projecto de vinho e enoturismo)., iniciaram um projecto de vida. Um tiro no escuro? Não, nada disso. Acercaram-se, aliás, convenceram o Enólogo Luís Duarte, fizeram análises aos solos e meteram de imediato mãos à obra. Como sempre, e tendo como referência o próspero negócio de sempre, das Garrafeiras Soares, conseguiram levar a cabo mais um projecto de enorme sucesso.

Como é óbvio, não podia deixar de falar dos vinhos, que acabei por beber no Restaurante. Fiquei com excelente impressão dos brancos de 2008 e dos tintos de 2007.

O Peceguina branco 2008
Está imbatível na relação qualidade/preço. Ganhou alguma complexidade, mercê da inclusão de Viognier no lote, mostra notas anisadas, citrinas e vegetais, mas é na frescura que tem o maior aliado. Na boca tem tem bom volume, frescura e equilíbrio.
Nota 16

O Malhadinha 2008 branco
Ganhou mais frescura, maior profundidade e está um senhor branco.
Aroma muito fresco, com notas vegetais reconfortantes. Fruto delicado e definido. Mineral e com as notas de barrica muito bem integradas. Aqui houve trabalho. Na boca mostra-se com excelente volume e alguma contenção. Acidez perfeita e equilíbrio excelente. Belo branco.
Nota 17,5

Malhadinha 2007
Pareceu muito mais intenso que nos anos anteriores, mercê de uma Touriga Nacional de enorme qualidade. É fresco, de fruto bem maduro. É preciso e bem desenhado.
Enorme no sabor e na persistência. Muito bem.
Nota 17

Ainda bebi o Malhadinha 2003, que esteve muito bem e achei que estava num momento excelente para se beber e o Marias da Malhadinha 2004, que junta o exotismo e o carácter com uma enorme complexidade. Estava soberbo no nariz. Na boca, ainda jovem e algo quente, a mostrar que pode muito bem aguentar mais uns anos em cave.


Resumindo, um local maravilhoso para se passarem uns dias, para relaxar e ser literalmente servido do melhor. Para quem gosta de vinho, uma adega e uns vinhos de enorme categoria. Que mais se pode querer? Fiquei com enorme vontade de voltar ao Country House e também à adega pois provei boas coisas nas barricas.

4 comentários:

apcperes quarta-feira, setembro 16, 2009 10:25:00 da manhã  

Grande reportagem, captaste mesmo a essência da coisa, para mim o timing não podia ser melhor, multiplicaste-me a enorme vontade de lá voltar, já só falta uma semana!

Joel Carvalho quarta-feira, setembro 16, 2009 11:42:00 da manhã  

A reportagem está muito interessante de facto, mas falta um ponto muito importante. Se eu quiser ter umas férias deste tipo, em quanto me fica nesta Herdade para 2 pessoas...

Abraço ;)

Pumadas quarta-feira, setembro 16, 2009 11:50:00 da manhã  

Bom, na realidade alertei para o facto de que a estadia no Country House & SPA é dispendiosa.
Não coloquei valores pois a informação não existe públicamente e como tal apenas fazendo um contacto pessoal se poderá ter uma ideia do que se vai gastar.

Joel Carvalho quarta-feira, setembro 16, 2009 12:20:00 da tarde  

Obrigado e uma abraço.

Boas Provas

Blogues Recomendados

  • Podem festejar! - Para balanço! Vai fechar para arrumações, para fazer o inventário e limpar os cacos que se espalharam num ápice. Há que voltar a colá-los, se conseguir. ...
  • Quinta da Bica Vinhas Velhas 2007 - Só produzido em anos especiais, este *Quinta da Bica Vinhas Velhas* nasce de uma vinha com cerca de 50 anos com várias castas misturadas, onde se destaca...

Blogues Recomendados

  • Prova - *Solstício. 2 Barricas (t) 2010* Diga-se desde já que conhecemos bem o homem por detrás deste vinho - isto é uma declaração de interesses (apesar de todo o...

Arquivo do blogue

  © Blogger template 'External' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP