sábado, 9 de janeiro de 2010

Quinta da Sequeira




Estive numa prova com os vinhos deste produtor que vou seguindo há algum tempo, apesar de não ser desde a sua primeira colheita, em 2001. A quinta começou em 1899, dedicada exclusivamente ao comercio do Vinho do Porto. Foram gerações que por ali passaram, sem que se vinificassem vinho tranquilos, até que em 2001, Mário Cardoso e a Esposa, decidiram inverter totalmente a posição, e dedicarem-se na totalidade a vinhos DOC Douro.
A Quinta da Sequeira situa-se no Douro Superior, a poucos quilómetros do apeadeiro do Vesúvio. São cerca de 15ha de vinha, alguma muito velha, a passar dos 100 anos, onde se podem encontrar as castas tradicionais do douro como a Touriga Nacional, Tinta Roriz e Touriga Franca, entre outras, no tintos e a Malvasia Fina, Gouveio, Códega e Rabigato, nos brancos.
Os vinhos começaram muito bem, com boas indicações por parte da critica especializada, e têm vindo gradualmente a subir de reconhecimento. A verdade é que uma marca não se faz de um dia para o outro e é necessário um trabalho firme, preciso e recorrente, para a manter ou subir de notoriedade. Aqui, nesta quinta, tudo é feito com verdadeiro sentido de grandeza. Faz-se o que se pode e com o que se tem, não há cá planos diabólicos de crescimento, custe o que custar, nada que possa deitar por terra um trabalho que já vem sendo feito por gerações.
A única possibilidade de crescimento poderá acontecer com a inclusão de Vinho do Porto no Portefólio, o que é de todo normal e previsível.


Os vinhos:


Quinta da Sequeira Branco 2008
Produtor - Quinta da Sequeira
Região - Douro
Preço - 9€
De uma bonita côr dourada, este vinho provem das castas Malvazia Fina, Gouveio, Códega e Rabigato que fermentou e estagiou em cubas de inox. No nariz não é muito exuberante mostrando apontamentos de fruta, alguma mineralidade e apontamentos de frescura que se associam a uma ligeira sensação de doçura.
Na boca é mais intenso, mostra cremosidade e uma acidez bem colocada. Nesta vertente da prova, mostra mais a sensação de doçura.
Não sendo um fervoroso adepto dos brancos com açúcar residual, confesso que este me agradou, talvez pelo contraponto que a acidez lhe dá. É um vinho equilibrado e que terá muitos adeptos.
Nota 15,5




Quinta da Sequeira Reserva Branco 2008
Produtor - Quinta da Sequeira
Região - Douro
Preço - 16€
De uma bonita côr dourada, este vinho provem de vinhas muito velhas, com cerca de 100 anos, e é feito a partir das castas Malvazia Fina, Gouveio, Códega e Rabigato que fermentaram e estagiaram em barricas de carvalho francês.
Muito bem no nariz, com intensidade. As notas de barrica são as primeiras a aparecer, mas sem qualquer exagero, Há aqui um bom trabalho com a madeira usada. Depois começas a aparecer algumas notas citrinas, de fruto em calda, baunilha e apontamentos minerais. Um conjunto de belo efeito e muito cativante. Com toda esta riqueza, ainda mostra frescura.
Na boca é volumoso e glicerinado, sugere novamente as notas de baunilha e minerais. Notável na acidez, que confere frescura ao conjunto e também no equilíbrio, apesar dos seus 14,5% vol. Se comprar com a versão anterior, que tinha a inscrição de Vinhas Velhas, está bem mais interessante, mantém o perfil musculado, mas parece ser mais fresco, mais equilibrado e mais trabalhado. Muito bem.
Nota 17


Quinta da Sequeira Grande Reserva Tinto 2005
Produtor - Quinta da Sequeira
Região - Douro
Preço - 35€
Feito a partir das castas Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz e Tinta Amarela, este vinho fermentou e estagiou em barricas novas de carvalho francês.
Opaco na côr. Provei-o logo após o seu engarrafamento e os dois anos em garrafa fizeram-lhe muito bem. O vinho mantém um perfil algo vigoroso e tenso mas muito mais . Já não está tão marcado pela madeira, aliás, pareceu-me que a madeira já estava muito bem integrada, não se dando muito pela sua presença. É a Touriga que marca passo, com notas violetas e folhas secas. A fruta aparece com sugestões a fruto preto maduro e ainda notas de especiaria.
Na boca é irrepreensivelmente um vinho viçoso, encorpado, num conjunto que reclama por comida, que esteja à sua altura. Pareceu-me bem identificativo do que é um Douro, do que é um vinho do Douro Superior. A acidez é vibrante e curiosamente, algo inesperado, possui um final longo, mas fino. Um vinho de muito sabor e equilíbrio, apesar do ímpeto.
Excelente, apesar do preço.
Nota 17,5

1 comentários:

Bruno Pinto quarta-feira, julho 01, 2015 8:28:00 da tarde  

Quinta da Sequeira Grande Reserva Tinto 2005, é um vinho fantástico, mas terrivelmente caro. Recomendo

Blogues Recomendados

  • H.M. Borges Terrantez 1877 - A história remonta ao ano de 1877, o ano em que Henrique Menezes Borges fundou a empresa H.M.Borges (Madeira), actualmente gerida pela quarta geração da ...
  • Nada - Por que raios, ninguém ainda pensou em baptizar um vinho, de uma região qualquer, com o nome de Nada? Seria o vinho perfeito para dias sem ideias, sem conv...

Blogues Recomendados

  • Prova - *Solstício. 2 Barricas (t) 2010* Diga-se desde já que conhecemos bem o homem por detrás deste vinho - isto é uma declaração de interesses (apesar de todo o...

Arquivo do blogue

  © Blogger template 'External' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP