segunda-feira, 23 de novembro de 2009

As novas tecnologias dão dores de cabeça

Sim é verdade, quantas vezes não damos por nós a coçar a cabeça para por a trabalhar este ou aquele aparelho, quantas vezes nos apetece partir tudo porque andamos horas para resolver qualquer situação relacionada com a utilização de um determinado aparelho.
Bem, eu pensava que tinha tudo controlado. Confiança no telemóvel/pda, para colocar todas as minha notas de prova, resumos de visita, enfim, tudo o que tinha sobre as minhas experiências vinícas estava no meu PDA (Samsung Omnia). Deixei a minha Moleskine, já ia na terceira, e passei a colocar tudo no PDA, sobre forma de notas. Poupava assim, dinheiro, também escusava de estar muitas vezes a escrever em pé numa letra quase ilegível para depois ter de chegar a casa e andar a decifrar os gatafunhos que tinha escrito.
Mas o pior acabou por acontecer. A minha confiança no equipamento, que levou a que não fizesse sincronizações regulares, acabou por ser a minha "morte". Com uma série de notas de prova por colocar e sobretudo com umas verticais e visitas a alguns produtores, o meu telemóvel acabou por "fritar". Com alguma esperança, ainda dei voltas e voltas para ver se mesmo avariado, conseguia sincronizar uma ultima vez. Tudo em vão. Foi para arranjar e logo me teceram aquelas palavras, que degluti em seco, "atenção que vai perder todos os dados que tem no equipamento", fiquei cá com uma azia......
Enfim, a vida continua, mas acho mesmo que vou voltar à Moleskine ou então sincronizar o equipamento assim que chegue de uma prova ou viagem.
Tal como referi, tinha no telemóvel as minhas impressões sobre 3 Verticais de vinhos do Douro, a saber, Quinta do Crasto Vinhas Velhas (2001 a 2007), Quinta do Vallado Reserva (1999 a 2007) e Quinta do Vale Dona Maria (2001 a 2007) e que vou acabar por não escrever sobre elas, no entanto, queria aqui referir as impressões que ficaram na minha memória:


Quinta do Crasto Vinhas Velhas
Foi uma prova fantástica, mesmo no meio das cubas de fermentação, por se ter podido verificar a coerência na qualidade, quase independente do ano de colheita. Lembro de um 2001, ainda cheio de vigor, numa fase excelente de consumo, um 2002, que estava muito bom, mas que acabava por não entusiasmar (aconteceu em todos os produtores), um 2003 a dar excelente prova apesar do perfil mais maduro, um 2004 simplesmente fantástico, o meu preferido de sempre, e com muito tempo pela frente. Ficaram 2005, 2006, e 2007, como vinhos muito jovens, a precisarem de tempo e de arejamento quando abertos. O 2007, muda cada vez que o provo, mas ainda lhe falta mostrar alguns predicados, que o tempo se encarregará de desvendar.


Quinta do Vallado Reserva
Esta foi uma prova muito reveladora para mim, pois na generalidade quase todos os vinhos apresentados, note-se que foi uma vertical completa, e com algumas colheitas a serem apresentadas em magnum, mostraram-se muito jovens e em alguns casos a mostrarem manifestamente necessidade de descanso na garrafeira. 2005 e 2007 foram os que mais gostei. Belíssimos vinhos.
2003 e 2006 a mostrarem-se em muito boa forma, 2003 numa toada mais quente, mais "jammy", mas a mostrar um equilíbrio notável. Estava muito bom. 1999 e 2000, ainda que algo diferentes, tinham em comum o facto de estarem muito bons para ser bebidos agora, não querendo com isso dizer que há pressa em consumi-los.
Fiquei bem impressionado com os Vallado Reserva. Notam-se algumas mudanças, no perfil dos vinhos, com o aumento substancial de Touriga Nacional no lote, mas creio que neste caso trouxe alguma mais valia aos vinhos.


Quinta do Vale Dona Maria
Não consigo esconder uma certa predilecção por este vinho. O Vale Dona Maria, costuma ser um vinho muito guloso, muito apelativo, e nesta vertical foi essa mesma a percepção que retirei.
2004 e 2005 continuam a ser os meus preferidos, com alguma vantagem para 2004, no entanto, 2007 esta tão perfeito, tão saboroso, que me leva a contar com ele para o futuro. Belos vinhos.
2003, continua a ser o vinho que não deverá evoluir como os restantes, mas, cada vez que o provo dá uma excelente prova. Está muito bem e recomenda-se.
2002, é muito bom vinho, mas falta-lhe a alma dos companheiros de anos seguintes e mesmo anteriores, pois 2001 estava absolutamente divinal. Belíssimo vinho, a mostrar que evoluiu bem, mas que ainda aguenta muito mais tempo.
Resumindo, são realmente vinhos muito saborosos, apelativos, sexy, se quiserem, têm aquele toque feminino, aquela sensação de luxuria.

2 comentários:

André Braga da Cruz terça-feira, novembro 24, 2009 5:05:00 da tarde  

João, também já me aconteceu o mesmo com o PDA...

Quanto aos vinhos...sem grandes comentários :D. Apenas que concordo contigo em relação ao Crasto VV, o 2004 é mesmo muito bom, para mim destaca-se de todos os outros.

Nuno de Oliveira Garcia quarta-feira, novembro 25, 2009 4:09:00 da tarde  

Belas provas. Parabéns pelo texto e ainda bem que recuperaste o PDA.

Ab.

NOG

Blogues Recomendados

  • Carvalhas branco 2015 - Oriundo da mítica *Quinta das Carvalhas* (Real Companhia Velha) em pleno *Douro* e ali bem perto do Pinhão, este branco afirma-se a cada colheita (nasceu ...
  • Podem festejar! - Para balanço! Vai fechar para arrumações, para fazer o inventário e limpar os cacos que se espalharam num ápice. Há que voltar a colá-los, se conseguir. ...

Blogues Recomendados

  • Prova - *Solstício. 2 Barricas (t) 2010* Diga-se desde já que conhecemos bem o homem por detrás deste vinho - isto é uma declaração de interesses (apesar de todo o...

Arquivo do blogue

  © Blogger template 'External' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP