domingo, 4 de setembro de 2011

Varietais Esporão

Há bem pouco tempo estive na Herdade do Esporão e ao provar alguns dos seus vinhos que em breve serão lançados, fiquei a pensar que por vezes esquecemo-nos das "grandes" empresas produtoras e do que elas fazem. É verdade que a quantidade é inimiga da qualidade, é verdade que um vinho como, por exemplo,o Monte Velho, nunca poderá ser considerado como um grande vinho, um vinho especial, até porque nem sequer foi feito a pensar nessa possibilidade. No entanto, e se olharmos para o Esporão, vemos uma gama bem definida, e sobretudo, a máxima de fazer o melhor possível com cada uva que entre na adega. Este trabalho dá os seus frutos e hoje teremos de considerar o Esporão como um produtor de solidez e consistência, muitas vezes ao nível do pequeno produtor de vinhos de pequenas produções. É obra.

No esporão sempre houve lugar à criatividade, à ousadia e à experimentação. Os varietais, agora com nove imagem, são o exemplo desta ultima. Embora não seja, em Portugal, o maior fã dos vinhos varietais, salvo honrosas excepções, também compreendo o porquê de existirem. Penso que poderão ser bastante importantes no conhecimento das castas, importantes para saber como se comportam em determinados anos e como evoluirão na garrafa. No entanto, na minha opinião, deveriam servir um propósito maior de ajudar à melhoria dos vinhos de lote. Ora, ainda assim, o vinho não pode ficar nas adegas, só por se tratar de experiências, e tem de ser vendido. A verdade é que também a nós, estes vinhos, podem ensinar um pouco mais sobre as castas.
Para a colheita de 2008 foram apresentados os varietais de Touriga Nacional, Petit Verdot, Alicante Bouschet e Syrah, por serem as que melhor se apresentaram. Vamos então começar pelo Touriga Nacional.


Esporão Touriga Nacional 2008
Feito exclusivamente a partir da casta Touriga Nacional, este vinho fermentou em cubas de inox, passando depois por um estágio de 12 meses em barricas de carvalho francês e 12 meses em garrafa.
Côr violácea de grande concentração. Muito apelativo no aroma, com muitas sugestões florais, fruto bem maduro, algumas notas vegetais e uma barrica muito bem integrada. Com tempo aparecem também sugestões de fruto silvestre, framboesas e morangos.
Na boca todo ele é sabor, tem estrutura, tem largura, mas também é elegante. Os taninos estão presentes mas são redondos e mostram-se prontos. Muito equilibrado e com um final longo e saboroso. Muito bem.
Nota 17

1 comentários:

GARRAFEIRA A CASA domingo, setembro 04, 2011 5:09:00 da tarde  

A nossa sugestão dete mês curiosamente.. Boas pumadas para todos vocês, Garrafeira A CASA, Alcobaça.

Blogues Recomendados

  • H.M. Borges Terrantez 1877 - A história remonta ao ano de 1877, o ano em que Henrique Menezes Borges fundou a empresa H.M.Borges (Madeira), actualmente gerida pela quarta geração da ...
  • Nada - Por que raios, ninguém ainda pensou em baptizar um vinho, de uma região qualquer, com o nome de Nada? Seria o vinho perfeito para dias sem ideias, sem conv...

Blogues Recomendados

  • Prova - *Solstício. 2 Barricas (t) 2010* Diga-se desde já que conhecemos bem o homem por detrás deste vinho - isto é uma declaração de interesses (apesar de todo o...

Arquivo do blogue

  © Blogger template 'External' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP