quarta-feira, 13 de julho de 2011

Portugal Tour

Foram 2 semanas intensas, foram cerca de 3.000 Kms percorridos e mais de 1000 vinhos provados. Uma semana muito elucidativa quanto à colheita 2009 que se apresta, na maioria dos casos, para ser lançada no mercado. Serviu também para revisitar e consolidar a minha opinião pessoal acerca de alguns produtores e regiões, com destaque para os Vinhos Verdes, Douro e Alentejo.
Em suma, os Vinhos Portugueses estão muito bem e recomendam-se. A trilogia de excelentes colheitas, 2007, 2008 e 2009 veio mesmo demonstrar inequivocamente que este final de década acabou por beneficiar os nossos vinhos, no entanto, lá fora, continua-se a desconhecer este país vitivinícola.
Finalmente, obviamente que não vou escrever sobre todos os vinhos que provei e sobre todos os produtores que visitei, apenas me irei restringir aos produtores que mais me entusiasmaram. Que acabaram por ser bastantes.

1º Dia (27 de Junho de 2011)

Começou-se pela Região Lisboa, e com a visita a 2 produtores, Quinta de Sant'Ana e Quinta do Monte D'Oiro.

Quinta de Sant'Ana
Foi a minha primeira a este produtor. James Frost é o proprietário da casa, muito bonita, onde nascem estes vinhos. O encepamento passa por castas estrangeiras, onde se contam Riesling, Sauvignon, Merlot ou Pinot Noir e castas nacionais, Alvarinho, Verdelho, Touriga Nacional ou Aragonez (Tinta Roriz). Acabei por achar os vinhos francamente interessantes, destacando os Riesling, nomeadamente o 2009, o Pinot Noir 2009, e os Reserva. A seguir com atenção.

Quinta do Monte D'Oiro
Não podia ser mais diferente que a anterior visita. Em relação a este produtor apenas a confirmação da sua excelência. A verdade é que me parece que cada vez estão melhores os seus vinhos e alguma inflexão de estilo, no meu entender muito bem vinda, trouxe vinhos mais finos e elegantes, sem no entanto prejudicar a longevidade que aparentam. Por outro lado parece-me que a relação com Michel Chapoutier tem dado os seus frutos. Todos os vinhos apresentam estilos diferentes mas apresentam uma homogeneidade qualitativa impressionante. Para mim acaba por ser difícil destacar este ou aquele vinhos mas achei que o Lybra Branco muito bem feito e ajustado ao preço que vai apresentar. Por outro lado, os Reserva, o Syrah 24 e o Ex-Aequo, são vinhos que impressionam. Atenção, que as novas colheitas que se apresentaram são ainda muito jovens e precisam de algum tempo em garrafa e paciência, o que é difícil hoje em dia. Muito bem


2º Dia (28 de Junho de 2011)

Começou-se a odisseia pelo Douro. Este dia foi dedicado aos Douro Boys, Wine & Soul, Passadouro e Chocapalha


Quinta do Crasto
É sempre difícil escrever sobre este produtor, uma vez que já disse tudo sobre ele. A ideia que me fica sempre que provo os seus vinhos é a qualidade extrema e sobretudo uma consistência ímpar. Colheita após colheita estão entre os produtores de maior sucesso. A legião de fãs, eu incluído, continua e continuará a crescer. Por certo saberão do pedestal em que coloco o Vinha da Ponte e de certo modo fico triste quando não é produzido. Adoro a profundidade desse vinho. A colheita de 2009 apenas trará o Vinha Maria Teresa que está igual a si mesmo, sumarento, delicioso e balsâmico, apesar da juventude com que o provei, em amostra de casco. A qualidade está toda lá, como sempre.
Mas, é o Reserva Vinhas Velhas que mais impressiona pela sua consistência e qualidade, ano após ano, e se consideramos a quantidade de garrafas produzidas, então ainda mais. A verdade é que a preocupação com a qualidade é transversal a toda a gama deste produtor. Podemos encontra-la também no Crasto, branco e tinto, que são difíceis de não gostar e no Crasto Superior, que agora começa a dar os seus primeiros passos mas que promete. 2009 voltou a ser um belíssimo ano para a Quinta do Crasto.


Quinta do Vale Meão
Outro produtor de exceção, outro produtor ao qual não podemos apontar um vinho menos conseguido, um vinhos com desvio de qualidade. Impressionante que estes vinhos venham do Douro Superior. Tem de ser graças a um Terroir de exceção e a uma família talentosa que este vinho é o que é. Não conheço nenhum vinho no Douro com a textura aveludada que o Vale Meão tem, mesmo quando jovem. Os taninos aristocráticos são outra marca muito particular deste vinho. Se o Vale Meão já é por si só um "blockbuster", que dizer do excelente Meandro do Vale Meão, que perfila-se como um dos líderes no seu segmento de preço e onde ano a pós ano continua a encurtar a distância de qualidade para o seu irmão mais velho. Impressionante.
Nesta visita, tudo na mesma, ou seja, ambos excelentes os vinhos da colheita de 2009, onde o Vale Meão se destaca pela excelente concentração, sem perder a frescura e elegância. Ainda se revisitou o Quinta do Vale Meão 2005, que se mostrou enorme no seu potencial de guarda pois ainda está muito novo. Felizardo quem ainda tenha garrafas guardadas. Grande Vinho.

Quinta do Vallado
Tal como a Quinta do Vale Meão, esta é uma das quintas que pertenceu à da Dona Antónia, a Ferreirinha. Este produtor tem sido uma agradável surpresa nos últimos anos, onde saiu de uma situação monótona, um pouco inconstante, para a ribalta. A verdade é que em tempos fiz uma vertical dos seus Reserva e fiquei absolutamente rendido à qualidade e longevidade dos vinhos. Desde essa altura, fiquei sempre atento à evolução dos seus vinhos e à apresentação das suas novas colheitas. Penso que a mais valia deste produtor está nos seus vinhos de topo. Não quero dizer com isto que todos os restantes sejam maus, muito pelo contrário. A verdade é que os Reserva e o Adelaide são vinhos fantásticos e que se destacam dos demais. O produtor também faz alguns varietais e ainda brancos. Atenção ao Adelaide 2009, Reserva Field Blend 2009 e Sousão 2009. São todos eles vinhos fantásticos, no meu entender. Apesar de falar pouco dos brancos da casa, considero-os muito bons, mas penso que os tintos são os mais interessantes.


Quinta do Vale Dona Maria
Este produtor, cuja alma está sediada no Cristiano Vanzeller e mais umas quantas lindíssimas senhoras, é quem produz um dos vinhos mais sexy do Douro, talvez pela forte presença feminina, que é o Quinta do Vale Dona Maria. Como eu adoro este vinho de volúpia, elegância, feminino. A verdade é que enquanto o CV, o topo da casa, é habitualmente um vinho mais fechado, mais austero, em novo, este Vale Dona Maria é pura diversão.
A Casa ainda produz a gama Van Zellers, que nasce de uvas provenientes do Douro mas que são compradas a lavradores. Na prova foram apresentadas também as novidade em vinho do Porto, com a integração de tawny 10 e 20 anos, que garanto-vos são muito bons, com especial destaque para o 20 Anos. Também aqui pareceu-me que a colheita de 2009 deu bons frutos. O Rufo pareceu-me mais saboroso que em anos anteriores, o Vale Dona Maria é o Vale Dona Maria, que nunca deixa ficar mal, está estupendo, e o CV que será um senhor vinho daqui a uns anos. A gama Van Zellers mantém a sua qualidade/preço muito correta. Uma nota especial para os brancos deste produtor, que têm vindo a melhorar significativamente. Vale a pena apostar no VZ 2010.


A segunda parte do dia contemplou os vinhos do Jorge Borges e da Sandra Tavares da Silva e que compreenderam os Chocapalha, Passadouro e os seus próprios vinhos Pintas e a recente entrada Quinta da Manuela.


Wine & Soul
"Vinho e Alma" é o nome da empresa de Jorge Borges e Sandra Tavares da Silva e de onde nascem vinhos como os Pintas, Guru, Pintas Character e agora o novíssimo Quinta da Manoella VV (sim, passou de Manuela para Manoella). É sobre este projeto que gostaria de falar pois este Quinta da Manoella VV 2009 é um vinhão. A proveniência é a já conhecida Quinta da Manuela, que em tempos andava pelas prateleiras nacionais, e que agora, por herança, passa para a família Wine & Soul. Tive oportunidade de colocar frente a frente o Quinta da Manuela 2001 e este novo vinho. A comparação não é possível sob vários aspetos mas afianço-vos que este Manuela 2001 estava cheio de vigor, de vida, de complexidade. Está um senhor vinho. Por outro lado, o Manoella VV é realmente um belo vinho, ainda muito jovem, quase imbatível, onde os taninos ainda muito jovens e empertigados dominam o conjunto. Habemus Vinum
Quanto aos restantes, mais do mesmo.... Continuamos a ter um Pintas 2009, que alia a concentração à elegância, tornando-se num vinho sumptuoso e irresistível, continuamos a ter um Pintas Character 2009 que parece ter um pouco mais de nervo e de tensão associada à concentração da colheita, ao mesmo tempo que encurta a distância para o seu "irmão". Está muito bom este Character 2009.

Continua........




1 comentários:

Ricardo Bernardo sexta-feira, julho 15, 2011 11:41:00 da manhã  

Fantástica viagem!
Aguardo pelo relato dos próximos dias.

Blogues Recomendados

  • Foz Tua 2014 - Pertence ao grupo dos tintos mais vigorosos do Douro sendo aos olhos de alguns "puristas" como vinhos levados a um extremo quase inaceitável.Porém a quali...
  • Podem festejar! - Para balanço! Vai fechar para arrumações, para fazer o inventário e limpar os cacos que se espalharam num ápice. Há que voltar a colá-los, se conseguir. ...

Blogues Recomendados

  • Prova - *Solstício. 2 Barricas (t) 2010* Diga-se desde já que conhecemos bem o homem por detrás deste vinho - isto é uma declaração de interesses (apesar de todo o...

Arquivo do blogue

  © Blogger template 'External' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP